sexta-feira, 20 de maio de 2011

Escola usa carrinho de pipoca como biblioteca itinerante



Um carrinho de pipoca transformado em biblioteca itinerante. A ideia foi da escola estadual Coronel Felipe de Brum, de Campo Grande, no Rio Grande do Sul, que usou a criatividade para incentivar a leitura. O projeto foi batizado de O saber em três rodas.
A maior dificuldade dos alunos observada pelos professores questão da leitura foi a falta de compreensão daquilo que se lê. Para reverter esse quadro, a coordenadora da área de língua portuguesa, Jucélia Pavão Flores, teve a ideia que logo foi adotado por outros professores da escola. Após a divisão de turmas responsáveis pelo carrinho, em dias alternados, ele se desloca para um local onde os alunos escolhem um livro, acompanhados pelo professor e o coordenador. Toda semana é realizado um rodízio de salas para a leitura em volta da biblioteca.

Fonte: R7 Notícia (andersonguarino.wordpress.com)
01/01/2011 by andersonguarino in Biblioteconomia




quinta-feira, 14 de abril de 2011

Tia Edinha - Mestres do Brasil



video


Escola Municipal Professora Alcida Torres Tia Edinha - Mestres do Brasil



Jornal da Record homenageia professores, Mestres do Brasil e Edinha vai além na Escola Municipal Professora Alcida Torres. Conheça a história de Tia Edinha, professora de comunidade carente do Taquaril de Belo Horizonte.


Edna sai de casa antes do amanhecer e tem 30 anos de carreira. A professora vai além da sala de aula e já negou salários mais altos para continuar seu trabalho entre os necessitados.



terça-feira, 5 de maio de 2009

Curiosidades sobre o Dia das Mães

No segundo domingo de maio comemora-se o dia das mães.

A data surgiu em virtude do sofrimento de uma americana que, após perder a mãe, passou por um processo depressivo. As amigas mais próximas de Anna M. Jarvis, para livrá-la de tal sofrimento, fizeram uma homenagem para sua mãe, que havia trabalhado na guerra civil do país. A festa fez tanto sucesso que em 1914, o presidente Thomas Woodrow Wilson oficializou a data, e a comemoração se difundiu pelo mundo afora.

As mães são homenageadas desde os tempos mais antigos. Os povos gregos faziam uma comemoração à mãe dos deuses, Reia. Na Idade Média os trabalhadores que moravam longe de suas famílias ganhavam um dia para visitar suas mães, que os ingleses chamavam de “mothering day”.

Mãe é a mulher que gera e dá à luz um filho, mas também pode ser aquela que cria um ente querido como se fosse sua geradora, dando-lhe carinho e proteção.

As mães merecem respeito e muito amor de seus filhos, pois fazem tudo para agradá-los, sofrem com seus sofrimentos e querem que estes estejam sempre bem.

Com o passar dos anos, o dia das mães aqueceu o comércio de todo o mundo, pois os filhos sempre compram presentes para agradá-las e para agradecer toda forma de carinho e dedicação que recebem ao longo da vida.

Nas diferentes localidades do mundo, a comemoração é feita em dias diferentes. Na Noruega é comemorada no segundo domingo de fevereiro; na África do Sul e Portugal, no primeiro domingo de maio; na Suécia, no quarto domingo de maio; no México é uma data fixa, dia 10 de maio. Na Tailândia, no dia 12 de agosto, em comemoração ao aniversário da rainha Mom Rajawongse Sirikit. Em Israel não existe um dia próprio para as mães, mas sim um dia para a família.

No Brasil, assim como nos Estados Unidos, Japão, Turquia e Itália, a data é comemorada no segundo domingo de maio. Aqui, a data foi instituída pela associação cristã de moços, em maio de 1918, sendo oficializada pelo presidente Getúlio Vargas, no ano de 1932.

Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
Equipe Brasil Escola
Tirado do site Brasil Escola

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Curiosidades sobre o LIVRO

A história do livro é uma página dedicada à evolução da escrita desde os primeiros registros gravados pelo homem até a revolução tecnológica dos dias de hoje. Nossa primeira história é sobre Gutenberg, o homem que popularizou o processo de elaboração dos livros. Veja por quê!

O ano do nascimento é incerto. De sua vida pouco se sabe pois são raros os documentos que contam sua história. Nem poderia mesmo haver um extenso registro escrito sobre um homem que viveu na Idade Média, quando ler e escrever era privilégio de minorias, ainda que ele fosse o responsável por uma invenção que tornou a palavra escrita acessível a todos, ditando assim os caminhos por onde passaria a cultura humana.

Afinal, somente depois que Johannes Gutenberg inventou a prensa tipográfica, as informações e o conhecimento começaram a ser divulgados de forma sistemática.Seu invento permaneceu o mesmo praticamente por quatro séculos. Hoje, ainda que ultrapassado tecnologicamente, sobrevive enquanto idéia, onde houver palavras impressas sobre papel.
Leia mais: Amigos do livro

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Irmãos Grimm

Os irmãos Grimm (em alemão Brüder Grimm), Jacob e Wilhelm Grimm, nascidos em 4 de Janeiro de 1785 e 24 de Fevereiro de 1786, respectivamente, foram dois alemães que se dedicaram ao registro de várias fábulas infantis, ganhando assim grande notoriedade. Também deram grandes contribuições à língua alemã com um dicionário (O Grande Dicionário Alemão - Deutsches Wörterbuch) e estudos de lingüística, e ao estudo do folclore.
Tirado da Wikipédia

quarta-feira, 5 de novembro de 2008


Arnaldo Angeli Filho, nasceu em 31 de agosto de 1956 na cidade de São Paulo e já aos 14 anos, publicou seu primeiro desenho na extinta revista Senhor.

Em 1973 foi convidado a desenhar para o jornal Folha de São Paulo, onde além de charges políticas, criou para a seção de quadrinhos, a tira diária Chiclete com Banana, título que lançou personagens como Rê Bordosa, Bob Cuspe, Wood & Stock e os Skrotinhos e em 1985, transformou-se numa revista de quadrinhos independente, com inquestionavel influência no mercado editorial.

Autor de vários livros, participante de alguns festivais de comics da Europa e colaborador do jornal Diário de Notícias de Lisboa, Angeli teve seus trabalhos publicados pelas revistas Linus, de Milão; El Vibora, de Barcelona; Humor, de Buenos Aires e um álbum, Os Skrotinhos, editado em Lisboa.

Atualmente, trabalha com exclusividade para Folha de São Paulo e para o provedor Universo Online, desenvolvendo quadrinhos animados para a internet.
Extraído:Angeli

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Monteiro Lobato


José Bento Monteiro Lobato estreou no mundo das letras com pequenos contos para os jornais estudantis dos colégios Kennedy e Paulista, que freqüentou em Taubaté, cidade do Vale do Paraíba onde nasceu, em 18 de abril de 1882.
No curso de Direito da Faculdade do Largo São Francisco, em São Paulo, dividiu-se entre suas principais paixões: escrever e desenhar. Colaborou em publicações dos alunos, vencendo um concurso literário promovido em 1904 pelo Centro Acadêmico XI de Agosto. Morou na república estudantil do Minarete, liderou o grupo de colegas que formou o Cenáculo e mandou artigos para um jornalzinho de Pindamonhangaba, que tinha como título o mesmo nome daquela moradia de estudantes. Nessa fase de sua formação, Lobato realizou as leituras básicas e entrou em contato com a obra do filósofo alemão Nietzsche, cujo pensamento o guiaria vida afora.
Leia mais em http://lobato.globo.com